Uma casa pode me abrigar, pode também me representar. 
Posso dar identidade a uma casa.
Uma casa pode me identificar.


 A proposta é instigar os participantes a construírem uma forma em argila que possa ser chamada de "minha casa". Uma forma para um abrigo, acolhimento, insegurança ou abandono. Um lugar para construir desejos. Além da argila como matéria prima, são disponibilizados tecidos, palitos, tintas...

Devido a força simbólica contida nessa proposta, tanto os processos quanto os resultados trazem muita  beleza e particularidade em meio à diversidade de representações.

Instituto Arte-Educação: Uma Casa Que Me Construa
Instituto Arte-Educação: Uma Casa Que Me Construa
Instituto Arte-Educação: Uma Casa Que Me Construa
Instituto Arte-Educação: Uma Casa Que Me Construa
Instituto Arte-Educação: Uma Casa Que Me Construa
Instituto Arte-Educação: Uma Casa Que Me Construa
Instituto Arte-Educação: Uma Casa Que Me Construa
Instituto Arte-Educação: Uma Casa Que Me Construa
Instituto Arte-Educação: Uma Casa Que Me Construa
Instituto Arte-Educação: Uma Casa Que Me Construa
Instituto Arte-Educação: Uma Casa Que Me Construa
Instituto Arte-Educação: Uma Casa Que Me Construa
Instituto Arte-Educação: Uma Casa Que Me Construa
Instituto Arte-Educação: Uma Casa Que Me Construa
Instituto Arte-Educação: Uma Casa Que Me Construa
Instituto Arte-Educação: Uma Casa Que Me Construa
Instituto Arte-Educação: Uma Casa Que Me Construa
Instituto Arte-Educação: Uma Casa Que Me Construa
Instituto Arte-Educação: Uma Casa Que Me Construa
Instituto Arte-Educação: Uma Casa Que Me Construa